15 de mar de 2011

Plástico Verde: a tecnologia dá resposta aos desafios ambientais

Este post é de autoria de Paula Rumachella.

A Braskem é uma empresa do setor petrolífero responsável pelo plástico verde, um
polietileno lançado em julho de 2007 e que é feito inteiramente de fontes renováveis. Esse mesmo plástico obteve a validação do laboratório internacional Beta Analytic, assumindo assim a liderança mundial em produção de biopolimeros ao inaugurar a primeira planta de eteno verde, em 2010.

Essa iniciativa aparentemente mostrou o compromisso da empresa com a criação de valor por meio do desenvolvimento sustentável levando esse principio para a sua cadeia produtiva, alcançando seus clientes. A cada tonelada de polietileno verde produzido seriam capturadas e fixadas até 2,5 toneladas de CO2 da atmosfera, diminuindo seu impacto ambiental.


Com isso a marca I’m
Green foi criada para diferenciar produtos que usam o plástico verde dos demais. Várias empresas “abraçaram” a ideia e passaram a adotar o mesmo, entre elas estão a Acinplas, Brinquedos Estrela, Cromex, Ecover, Embalixo, Johnson &Johnson, Natura, Petropack, Procter e Gamble, Shiseido, Tetrapak e a Toyota Tsusho. Mesmo com todas essas iniciativas ainda sobra um lugar para a dúvida, se essas mesmas iniciativas foram tomadas para aumentar o prestigio da empresa perante o público em um tempo onde se discute diariamente o impacto ambiental do homem no meio ambiente ou se a empresa está realmente se responsabilizando pelo seu impacto no meio ambiente e fazendo algo a respeito.

5 comentários:

Vitório Tomaz @virts disse...

Acredito eu que este pensamento está implicito, mas ressaltanto, talvez a grande questão seja de até onde a economia está se reformando como um sistema que passa a incorporar o meio ambiente como um ativo, e isto deveria incluir um novo comportanto sobre o consumo, ou até que ponto é puramente a ecoeficiência, embasando o pseudoconsumo consciente, onde apesar de não consumir petroléo continuamos a consumir energia por exemplo, e que com o aumento da escala, pode consumir até mais os recursos naturais.

Michel disse...

Uma outra iniciativa interessante de se observar e que também visa diminuir o impacto ambiental é a da PlantBottle™, da Coca-Cola Brasil.

Segundo o site da empresa, estas garrafas são feitas a partir de um material derivado do processamento da cana-de-açúcar, e por serem "totalmente recicláveis" (assim como o PET tradicional) ajudam reduzir a nossa dependência do petróleo, visando "reduzir em 25% as emissões de CO2".

Outra iniciativa da Coca-Cola, que "há mais de dez anos vem empregando menor quantidade de resina e reduzindo o peso das embalagens PET", é a Minitampa.
Segundo eles, "a projeção é de que, com a diminuição em 4 milímetros na altura das garrafas, a redução anual no consumo de PET corresponda, em 2012, ao equivalente em volume ao material necessário para produzir 120 milhões de embalagens de 2 litros".

Mais nos sites:
http://www.cocacolabrasil.com.br/plantbottle/plantbottle_benefits.asp
http://www.cocacolabrasil.com.br/release_detalhe.asp?release=161&Categoria=35

Luiz Fernando disse...

isso mesmo Michel,otima dica e tbm já temos um Post sobre isso nesta página http://publizitat.blogspot.com/2011/01/plantbottle-nova-garrafa-da-coca-cola.html

e vale ressaltar a importância deste prêmio, é essencial o reconhecimento para o aumento de ações socioambientais, isso ajuda com que a empresa...a marca tbm fique em evidência, o que é super importante para se continuar investindo neste tipo de atitude.

Raphael Souza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raphael Souza disse...

O Polietileno é um dos plásticos de fabricação mais barata que existem. Quando soube disso me perguntei: será que a fabricação desse "Plástico Verde" é mesmo viável economicamente?
Lembrando que o polietileno é o tipo de plástico mais utilizado no mundo, especialmente pela indústria automotiva, de cosméticos, de embalagens, brinquedos, higiene e limpeza, entre outras.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails